Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS ASAS DA FORMIGA

Amiga,
a qualquer hora és bem-chegada
mesmo se não saibas bater à porta.

Passageira,
és tão bem-vinda qual a louca intensidade
dos pingos da chuva esbugalhando o chão.

Companheira,
chegaste batendo a cabeça e desgovernada
transpassando a tela, a luz, a estrela, o zinco.

Em busca de um torrão,
num vai-e-vem, do açucareiro à lâmpada,
já te sentes dona da casa
fazendo cocô na toalha
e voando, e voando sobre os cômodos.

Em busca de luminosidade,
nesse vai-e-vem estonteante: gira,volta e cai;
bem íntima da claridade
bocejas para dormir
ao lado escuro da cama, já hipnotizada.

Cedo, sei, perderás as asas!
Mas não faças esse zunzum esfuziante
sobre o prato cheio d`água sobre a mesa,
pois, se caíres nele, amiga,
ficarás nua de vento
e perderás a vontade de ficar e ficar sem voar.


A noite é uma armadilha
que dorme de luz apagada.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 30/05/2005
Código do texto: T20934
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19518 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:34)
Djalma Filho