Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INQUIETAÇÃO

Ah,... Mas essa alma de poeta que não se aquieta
Em busca de um mundo melhor que em minha garganta
Dá um nó se não digo a verdade do que penso, mesmo
Sendo eu um só, na escuridão de teu ser, tentando buscar
Algo para de felicidade viver.

Ah,... Essa incerteza profunda me deixa moribundo versejando
O bem-querer, caminhando no infinito, buscando o amor mais
Bonito para entregar a você, amor de tanta gente, que de repente
Me faz morrer na solidão dos aflitos, querendo soltar o grito
De alegria para viver.

A madrugada me faz confuso, da liberdade eu abuso para aliviar
Minha dor, serenata não há na janela, você não é mais aquela
Que alegrava meu viver, solidão destrói aos poucos esse peito
De caboclo que o mal não fez para o troco merecer da maldita
Traição, que vai arrebentando o coração me fazendo sofrer.

O bom seria se eu não existisse, mas já que a vida persiste
O que penso tenho que dizer ao mundo do homem mau,
Ô Deus, afaste de mim esse cálice, essa espada que me tortura
E essa ponta de agulha que me fura sem meu corpo perceber
Deixe que a brisa calma do tempo meu coração atura mesmo
Sem poder te ver.

Enfim, se piedade tiver de mim, não se faça tão perversa
Meu coração te confessa que não é tão forte assim, deixe que
Meu pensamento relaxe, por mais alto o Apalache nele
Eu quero subir, gritar bem alto para o mundo ouvir, o perfume
Que exala das flores, é mania de paixão que um dia eu vi partir...
Ah, meu Deus, quanta bobagem escrevi!

R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 08/08/2006
Reeditado em 08/08/2006
Código do texto: T211637
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R J Cardoso
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3128 textos (79555 leituras)
2 e-livros (393 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:42)
R J Cardoso