Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TALVEZ EU SEJA MESMO POETA

Talvez a minha poesia caminhe sozinha dentro das minhas próprias mãos.
Como cometa passe queimando o meu leito de sangue e nas horas outras burile a minha existência para contá-la.

Talvez a minha poesia navegue nas profundezas de meu mar e eleve-me de meu rio escondido jorrando ao mundo meu ser. (Secreta e inofensiva existência para os corações pouco afeitos aos sentimentos puros.)

Talvez meu abstrato tenha de real uma força tamanha que surpreenda o sensível leitor. Sua força deva constituir-se da necessidade de expelir meu vulcão interior repleto de amor.

Talvez eu seja mesmo poeta... Um eu-lírico em plena manifestação do sublime e da inexplicável força que impele-me a gritar através da poesia a necessidade de viver!
Alexandre Tambelli
Enviado por Alexandre Tambelli em 10/08/2006
Código do texto: T213594
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Tambelli
São Paulo - São Paulo - Brasil, 48 anos
676 textos (116314 leituras)
8 áudios (2991 audições)
1 e-livros (398 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:41)
Alexandre Tambelli