Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

amor um poema inspirado em Cummings



eu terra
quero dizer
a lua que te amo
as flores encantam
neste momento o futuro
a sordidez e do teu amor en-
laçam existência como a tua pele
me deixa nuclear pode ser a guerra
e os teus olhos doces explodimos de ter-
ror como cravados na ternura só temos a vi-
da na tua boca o fim é previsível não passamos
de corpo mas a tua brancura como um astro apoca-
lítico enrolada no lençol branco és uma visão morte só
podemos viver o presente e és minha como o sol se deita
e não haverá manhã quando trocamos olhares meigos e brandos
os Invernos rigorosos estão aí amanhã porque damos as mãos
e bebemos a água de uma amizade profunda depois a fome
as pedras e os teus seios pousados nas minhas mãos que
os ditadores nunca esquecerão como o ar que tu res-
piras veneno do ácido das pessoas descerei sobre
sentindo o tempo e não há tempo nem mar nem
haverá terra quererei apenas ter-te ao meu
lado infinito sorte e azar só vinte gerações
nunca te esquecerei como o linho grita
as dores da fome a tua mão os teus
olhos as memórias negras lapidar
rolarás sempre nesse leito com
armas e sódio mirrará mas
quero-te e o fim virá com
as rolas num quadro e
será este sorriso que
estará na palavra
o fim amor fim
amor fim a-
mor!


Constantino Mendes Alves
Enviado por Constantino Mendes Alves em 11/08/2006
Código do texto: T213952
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Constantino Mendes Alves
Portugal
324 textos (3787 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:26)
Constantino Mendes Alves