Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO SOU INTEIRO!

Não sou inteiro! Sou diversos fragmentos de mim mesmo (“eus”)
Que se digladiam interiormente impondo a minha pessoa
Limites, nos sonhos, nos desejos e nos prazeres e dando-me respostas
Claras dos caminhos que eu posso seguir
Na labuta diária em busca das minhas verdades e ações íntimas e sociais.

Quando eu escrevo não penso e não passo um cânone
De idéias prontas, batidas, retilíneas e de auto-ajuda.
Porque  -- escrever -- para mim, é destituir-me e ser ao mesmo tempo os vários "eus"
Perdidos e equilibrados nos sonhos, nos pensamentos, nas idéias, nas utopias,
Nos desejos, nas ações almejadas e nos prazeres realizados.

Um poema, penso ser a validação da palavra como instrumento de vida;
De inconformismo; de certeza que estamos (no poema) nos encontrando com Deus
E com nossa intimidade mais latente e ávida por dizer algo.
A poesia, para mim, é uma ação d'alma e espírito dum eu-lírico quando explode as suas vidas.
Porém, essas vidas são os “eus” aflorados quando o poeta é poesia.

Ser poeta, creio eu, não é coletar um grupo de pressupostos prontos
Arrecadados nas boas intenções e/ou conhecimentos e juntá-los em versos.
Ser poeta é desvencilhar-se da boa conduta, do bom-moço,
Do inútil prazer de agradar a maioria dos leitores. Um poema, tendo apenas um leitor,
Que o sinta pulsar na veia, n'alma e no coração já terá seu resultado referendado pela vida.

Inteiro só Deus! A cada um de nós cabem os diversos fragmentos perdidos
Que são socialmente reféns das mais diversas leis, preconceitos e tabus
Que o ser social cria e recria diuturnamente no seu convívio com outros homens.
Tenho certeza que não existe coração, apenas, na poesia. Existe sim muita dualidade
E luta interior entre o querer e o poder e entre a necessidade e a realidade.

Só torna-se poeta, penso eu, quem for irmão da indignação e do desnudar-se silencioso...
A vida é um sentimento concomitante de dor e de alegria, de guerra e de paz, de ódio e de amor,
De poesia e de caos, de sonho e de pesadelo, de voz e de silêncio, etc.
O Poema e o poeta estão perdidos na sua própria indefinição contínua e imortal.
Só é poesia, para mim, o que for mutante e não é necessário caminhar um passo sequer para tê-la.

Na vida vai quem quer e para onde quiser. O homem pode ir ou ficar.
E pouco importa se o poeta fica a contemplar estrelas ou a imaginar o futuro ou a sofrer pelo passado;
Se resolve amar alguém lhe dando apenas 30% ou 70% de carinho.
Não se mede a vida de ninguém pelas ações realizadas, plenas de doação, e sim pelos sentimentos
Que apontam no ser a sua verdadeira essência, vontade, prazer e coerência entre a palavra e o ato.

O eu-lírico que se apresenta refém das regras estabelecidas; que escreve pensando em ajudar o outro;
Que caminha porque dizem que não é possível viver de brisa, de divagação, de nada
Nem sempre se faz coerente e completo. Certamente  --  a vida -- não é uma simples medida
E sim: sonho, utopia, liberdade, indignação e prazeres... E o verdadeiro
Poeta (creio eu) é aquele que comove sem precisar convencer ninguém...
Alexandre Tambelli
Enviado por Alexandre Tambelli em 13/08/2006
Código do texto: T215456
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Tambelli
São Paulo - São Paulo - Brasil, 48 anos
676 textos (116411 leituras)
8 áudios (2991 audições)
1 e-livros (398 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:20)
Alexandre Tambelli