Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Ouça o áudio deste poema, declamado pelo autor, clicando no link abaixo.
Listen to the audio of this poem, recited by the author. Click HERE.
 
Ouça os áudios de todos os poemas postados, declamado pelo autor, clicando no link abaixo.
Listen to audios of all the published poems, recited by the author. Click HERE.
 
Adquira o livro de contos "Caminhos" de JB Xavier, clicando no link abaixo.
Purchase JB Xavier's short stories book "Paths". Clik HERE.
___________________________________________________

POEMA 15
Pablo Neruda


Me gustas cuando callas porque estás como ausente,
y me oyes desde lejos, y mi voz no te toca.
Parece que los ojos se te hubieran volado
y parece que un beso te cerrara la boca.

Como todas las cosas están llenas de mi alma
emerges de las cosas, llena del alma mía.
Mariposa de sueño, te pareces a mi alma,
y te pareces a la palabra melancolía.

Me gustas cuando callas y estás como distante.
Y estás como quejándote, mariposa en arrullo.
Y me oyes desde lejos, y mi voz no te alcanza:
déjame que me calle con el silencio tuyo.

Déjame que te hable también con tu silencio
claro como una lámpara, simple como un anillo.
Eres como la noche, callada y constelada.
Tu silencio es de estrella, tan lejano y sencillo.

Me gustas cuando callas porque estás como ausente.
Distante y dolorosa como si hubieras muerto.
Una palabra entonces, una sonrisa bastan.
Y estoy alegre, alegre de que no sea cierto.
_____________

Poema 15
Pablo Neruda
Tradução: J.B.Xavier

Adoro quando calas, pois pareces distante,
E me olhas de longe, e minha voz não te toca...
Teu olhar parece voar pelo firmamento,
E parece que um beijo te silencia a boca...

Como todas as coisas são plenas de minha alma
Surges delas, plena de alma minha em alegria,
Borboleta de sonhos, pareces com minha alma,
E te assemelhas à palavra melancolia.

Adoro quando calas, pois pareces distante,
Quieta e bela, como a borboleta em plenitude
E me olhas de longe, e minha voz não te alcança...
Deixa que eu me cale também, com tua quietude.

Deixa-me que te fale também com teu silêncio
Claro como a lâmpada, simples como um anel.
És como a noite, silenciosa e constelada,
Teu silêncio é de estrelas, distante como o céu.

Adoro quando calas, pois pareces distante,
Distante, dolorosa e da morte muito perto,
Mas uma palavra, então, e um só sorriso bastam,
E me torno alegre de que não esteja certo!

* * *
JB Xavier
Enviado por JB Xavier em 14/08/2006
Reeditado em 16/01/2011
Código do texto: T216356
Classificação de conteúdo: seguro

Áudio
Poema 15 - JB Xavier
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
JB Xavier
São Paulo - São Paulo - Brasil
1049 textos (179071 leituras)
50 áudios (18291 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:12)
JB Xavier

Site do Escritor