Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Versos Meus

Não devo agora
No despontar da cadente
Fazer-me de urgente
Ó raça veemente;
Devo estar de fora
No ovular da aurora.

Faculto a discussão
Não sou estrela
Sou punga ovelha
A inquietude parelha;
Ferida com pressão
Resvalada podridão.

Das flores,
Sou sépala
Dos amores,
Pétala
Despetalado
Não revelado.

Não quero ser o vulto da versão
Nem notícias que os velhos lêem
Quero os olhos que as gaivotas têm
Com crepúsculo mais além;
Ladro e friso o doce macarrão
Não tenho preço, não.

Não levo pressa
Não tenho essa
A frouxa corda desfiou
Mereço o aço, suportou
É o legado do “já vou”
Onde estou?

Não carece
A boca dita a carne
Desembrutece
A minha prece
Faz do bife à parte
A cavilha do descarte.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 14/08/2006
Código do texto: T216357

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34087 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:16)
Cesar Poletto

Site do Escritor