Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CHÃO DA LITERATURA**

Sou a alma desvairada
que reanima e recicla abandonos.
Sou o vale que recolhe águas barrentas,
seus cacos e restos
trazidos pela correnteza da vida.

No chão da literatura,
recolho tudo o que se rejeita:
vielas e becos, crianças sem pátria dos faróis,
pés descalços, sertão...
e nossos heróis derrotados:
Che Guevara, Conselheiro, Prestes, Lampião...

Aparo todas as sobras,
lustro com kaol
as palavras malditas,
dos poemas esquecidos,
dos livros que a crítica ignora,
que o mercado rejeita
e o intelectual perjura.

Sou o catador de ferro-velho
que retira vida do limbo,
do quase nada.
Sou do território dos excluídos,
periferia, marginália, Brasilândia...

Canto histórias esquecidas,
sons quietos dos que foram calados.
São matérias-vida que recolho
no chão-abrigo dos indigentes,
dos asilados, migrantes,
dos loucos e suas mazelas.

Acolho ultrajes à arte imaculada,
às escolas e panelas literárias.
Exalto os músicos da noite
e os poetas de verso torto e pé quebrado.
Sou a palavra rejeitada
caída da mesa farta dos poetas letrados.

......

ARQUIVO MORTO


Seu amor me ampara e me dá forças

Às vezes quando chego mais cedo da labuta
Cheiro tua roupa guardada
Suas peças íntimas sobre a cama
E me vêm o seu sexo inteira
O teu calor me toma e tenho teu corpo nu assim na mão
Quando me chama para o teu íntimo
Depois da janta
E me vem com teu cheiro de perfume
Com todo o teu furor
Esqueço do cansaço
Do aço do dia
No teu ninho reencontro a esperança
Na tua pele
Nos teus flancos umedecidos
O fogo pra minha luta
Que me empresta e me dá alento para a seguinte labuta
Seu sexo fica em mim nas ventas
Me acompanha no dia, seu cheiro fica dentro
Teu corpo ao me trancar me liberta
E me põe de pé
Lembro da tua voz na noite
Como me soa matinal, infantil e verdadeira
A tua mão leve quando me procura
E me toca e roça meus pêlos
Você é meu zelo, luz e apego
Mesmo quando o sono é maior que o desejo
O teu calor cola em mim e me alenta
Fico acordado
Ancorado em teu corpo
E assim me perco em divagações
Vendo a nudez rígida dos teus traços
Toco a tua carne dura e me faço teso
Seu seio rijo me mostra a tua força
A energia que emanas quando me dá do teu bom
Você é minha
Parte
A que me falta e completa

Célio Pires de Araujo
Enviado por Célio Pires de Araujo em 05/06/2005
Reeditado em 05/10/2007
Código do texto: T22271

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Célio Pires de Araujo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Célio Pires de Araujo
São Paulo - São Paulo - Brasil
1075 textos (32925 leituras)
2 e-livros (236 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:09)