Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quinto

Não, eu não vou me esquecer de ti...
Jamais esqueceria tua falta de obviedade.
Eu seria capaz de recordar tudo,
Mesmo que nunca mais revesse nada que de ti venha.
Talvez já não me ocorra o ruído da palavra,
Mas tua aspiração ao falar... isto eu não esqueço.

És Aquiles: filho de Tétis e Peleu,
Pois meus poemas épicos mais lindos pertencem a ti,
Mesmo que em teu lugar, que era de direito,
Tenha eu sido mergulhada no rio infernal,
Tornando-me ao contrário, a mais vulnerável mortal.
Pena este não ser meu poema favorito
Talvez seja o que eu mais odeie...

Tudo neste poema deve lembrar-te
Porque assim eu o quis.
Teus cabelos, tuas roupas,
As cicatrizes dentro e fora deste túmulo,
Pois tudo que surgiu a mim sobre ti
Em ti mesmo se encerrou,
Já que só vivi quando estive em teu corpo.
Fora dele sou eu sozinha,
Como sempre me ocorreu em diversas noites.

És neto do nada, das ruas soberbas.
És o recorte da civilização, da metrópole,
Das terras sem dono e sem plantações.
És o cão que morre, estraçalhado no asfalto
Quando corre feliz, logo pela manhã,
Porque teve brisa de madrugada...

És o bêbado que geme, porque a bebida se foi.
És todo aquele grito de força, sem luta,
Porque és aquele que não conheço
Já querendo, e me desfazendo.
És um cansaço nada enfadonho:
Que eu quero em tonturas, vertigens e sonhos.

És o retrato perfeito de homem, não de homem perfeito.

Talvez sejas só uma ânsia que não me sufoca
Ou aquele amante que qualquer mulher gosta.
És uma fruta estragada no fundo da geladeira
Que ninguém come: murcha, fria e feia.

Lindo... és verdadeiramente lindo!
E és você mesmo, a verdade que mais critico.
Mas no fundo, no abismo, quase tocando o inferno:
És a sensaboria mais gostosa.
És a ânsia de morte que me cerca e me enlaça:
És forte, crua, enjoada, cortante, mas que passa...
Maria Clara Dunck
Enviado por Maria Clara Dunck em 22/08/2006
Código do texto: T222714

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Clara Dunck
Goiânia - Goiás - Brasil, 30 anos
73 textos (4623 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 09:49)
Maria Clara Dunck