Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DELÍRIO

Já que não tenho asas
deixem-me ao menos trepar
pendurar-me naquela escada de corda
presa ao topo do grande circo azul
lá bem em cima onde nasce o infinito
e as andorinhas pousam num galho de nuvem.
É de lá que elas piscam os olhos à Lua
de madrugada
e se riem dos helicópteros
dos aviões
e das naves espaciais
pois são artifícios caricatos
feitos por braços desasados
impotentes para voar.

Mas eu só quero trepar
vestido de arlequim
ser trapezista talvez...

Lá no zénite
no epicentro da abóbada
no tal galho de nuvem
hei-de ter um lugar.
Orlando Caetano
Enviado por Orlando Caetano em 24/08/2006
Reeditado em 11/09/2006
Código do texto: T223910

Áudio
DELÍRIO - Orlando Caetano
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Orlando Caetano
Portugal
172 textos (15680 leituras)
26 áudios (2932 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:28)
Orlando Caetano