Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Duendes de Ouro

Sonolentas as manhãs,
se desdobram em luzes,
e se abrem os pássaros
ao sol; rebatem-se ao
vento que tem a medida
certa de cada vôo.

Se ela soubesse o que eu sei
esta manhã,
Se ela ela imaginasse ao certo
esta manhã,
estaríamos juntos na amplitude
do espetáculo matinal,
à espera de que nos nutrissem
de ânsias e desejos.

Mas de longe, sentado,
ao largo de um banco úmido
de orvalho,batido pela madrugada
sabemos que perdemos o que
nunca tivemos,
e deixamos de ser
aquilo que sempre éramos:
música de sonho,
flauta mágica que nascia
quando o verbo da
carne falava
através dos desejos úmidos;
das testas empoadas de suor.

Assim foi uma única
vez:
o que vinha numa direção
rebateu-se noutra,
e a paz que era duradoura
virou pacto de guerra.

Hoje, sabemos nós,
estamos
perdidos em dois
espaços, onde, soslaio,
não há mais tempo.

Nem para ir nem para voltar.

Duendes mágicos trataram de nos
fazer coisa passageira, cobertas
com dobradiças de ouro e almejadas
de beijos e abraços que, nunca,
nunca, chegaram por aqui,
na minha velha choupana:
antro apaziguado
dos desejos e da solidão
que se mede ao vento
e bate afônica até às lágrimas.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 25/08/2006
Código do texto: T224887
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26782 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:41)
José Kappel