Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poesia ingênua

Quão belo o arlequim do seu riso tracejado de grafite-açúcar. Seu aflautar imaginoso-colorido, melodia amarelo carmim, ‘aguarela’ flutuações de suaves matizes e compõe líquida fotocromia à ponta do meu lápis. Rodopia no papel esboços de belas, feiticeiras e feras envoltas em sedas rosas e lilases. Cabelos esvoaçam tonalidades cítricas e o pequeno arlequim, com seu coração balão brinca entre lonas azuis, sopra-me aos olhos a brisa-arco-íris e a inspiração reluz em delicada magia à ponta do lápis como pó de encantamento e m'embriaga...

[Hora de fechar o porta-lápis, recolher os papeis, apagar o quebra-luz e sonhar poesia , antes que o pierrô apareça e me comova com sua  face em lágrima coberta de açúcar e me inspire despertar a semente do meu Ser criança....]
marcia eduarda
Enviado por marcia eduarda em 26/08/2006
Código do texto: T225756

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (márcia eduarda®). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
marcia eduarda
São Paulo - São Paulo - Brasil
534 textos (16560 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 12:06)
marcia eduarda