Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Maria Sem Mar

Sinceridade é coisa particular,
arejada, batida de ventos,
soleira da lua,
plataforma da agonia.

Preocupação tem,
quando a ansiedade raspa de mansinho,
a solidão fica alerta,
senão tudo afunda pertinho
no nosso caminho.

Sinceridade é coisa particular,
tem pureza e qualidade,
já testada e aprovada.
Mas carrega no seu espaço
tão miúdo
fácil intimidade.

Fico de reserva.
Pois o coração apronta cada uma,
junto com os caminhos da vida,
e a gente não liga, mas acontece toda
hora.
Com caminhos, só de idas!

Dizem que acontece com todo mundo
Comigo, vá lá, carregou uma vez:
me atrelei num rosto de mulher
que tinha tudo o que um pomar
de bom possui:
beleza, probidade e acalanto.

Chega a ser uma história simples
mas as coisas simples é que dóem mais:
foi ela me largar
depois de vários natais
e me subjuguei ao ócio
e a perenidade que
toda leviandade destrói e ata.

Fiquei pó,
fiquei doente
tão de repente.

Fiquei mascado e dolorido.

Afinal foi a única mulher que
amei e, hoje,
vivo de porta em porta,
procurando rabichos da saia
dela.

Um grego sem mar!

Mas só encontro marinheiros
sem navios
e capitães sem naus por inteiro!

Sem ela,
Sou agora vazio assim:
um mar grande e radioso
batido, plácido e de cor carmim !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 27/08/2006
Código do texto: T226309
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26782 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:38)
José Kappel