Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vale dos indefesos

Quando nos sentimos no caminho análogo
Pense, na alameda equivalente à beira
Do nosso próprio logradouro, como vai-e-vem
Ou preferência do chão que desejamos bem.
 
Se nossos devaneios que são as equivalências
Partissem somente de um único caminho
Com alguma pessoa que ansiávamos, que poderia
Ao mesmo tempo ser trivial com nossa aspiração.
 
De alguma pessoa que nos sentíssemos um nada
Quando nos achamos que consiste em encontrar-se
Naquele ambiente em que depositamos esperança
E finalmente não temos resultado algum, só lembrança...
 
Há pessoas que denominam a isso de mera utopia
Lugar de onde vem à penosa e sofrida consternação
Por ter deixado pouco a pouco que a fantasia
Confundisse a realidade com a desvairada ficção.
 
Desvanecendo-se o plano na elevação da própria mente
Tendendo-se cair dos rochedos dos sonhos ruins
Pulando pelos declives mais afiados da decepção
Precipitando-se pela depressão dos desamparados,
Para depois, se reunir condições, erguer-se desse chão.

R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 29/08/2006
Reeditado em 30/08/2006
Código do texto: T227697
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R J Cardoso
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3130 textos (79588 leituras)
2 e-livros (393 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 11:49)
R J Cardoso