Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FORRÓ DANADO DI BÃO

FORRÓ DANADO DI BÃO

Naquele dia que nos fomo festejá
pra modi comemorá o São joão.
Aquela muié bunita quinem a santa
mi arrastô toda afoita pro meio do arraiá.
Deixei um par de vala lá no chão
qui não era pra modi plantá semente não,
foi meus dois pé dos sapato que riscaro assim a terra.
Eu, fingia qui num quiria,
mas impurrava o corpo im frente
prela num disistí i mi deixá quinem bobão.
Meu coração estava aos pulo,
mas acho qui era pra modi dá conta da emoção.
Tirava o chapéu da cabeça
pra ocupá a minha mão,
mas botava lá dinovo
e a otra logo tamem pegava ele, pra num ficá vazia não.
Quando os meus braço incabuladu
si inchero de valentia
e abraçaro todo aquele corpão,
num quiria era largá mais não.
Nem ouvia as música acabá,
tava lá garrado quinem erva di passarim.
Pelos  pulo qui ela dava,
eu pensava qui era seu jeitin di varsá,
mas ela tava mais é saino fora
dos meu pisão no seu dedão.
Até qui a moça rependida do seu feito,
foi logo dano o seu jeito
di mi trocá por outro cabra,
na esperança di continuá  na distração.

Mario Rezende
Enviado por Mario Rezende em 29/08/2006
Reeditado em 11/06/2009
Código do texto: T227925

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mario Rebelo de Rezende). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mario Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
689 textos (50920 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:47)
Mario Rezende