Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poesia de Bolso 46 ( Modus Vivendi )

MODUS VIVENDI

Li sem espanto a notícia
Do massacre das crianças
Que dormiam na calçada.
E chorei de me dar pena
Pela dureza dos olhos
Ante a chacina estampada.
Fizeram de mim o avesso
Dessa gente que às avessas
Vive entre o espanto e o medo?
Como posso estar sereno
Vendo a nau dos afogados
Sobre a tormenta do asfalto?
Não quero mais essa calma,
Enquanto a fome ordinária
Rói os últimos escombros
De minha civilidade.
 ( Hoje, ao olhar-me no espelho
   Vi um macaco assustado... ).
Por  respeitável silêncio
Morre de tédio o poeta
Que se dane a poesia
Se longe das fomes do mundo!
Aldo Guerra
Enviado por Aldo Guerra em 31/08/2006
Código do texto: T229450
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aldo Guerra
Rio das Ostras - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
296 textos (26095 leituras)
3 áudios (490 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:04)
Aldo Guerra