Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Saturnino

Saturnino de presença,
lua por angústia,
sol por desespero.
Soma-se este condado celestial
e desagua-se numa avenida
de desesperanças.

São assim meus dias
Ah! , dias sem volta!

Que poucos retornam
e lá avisam, com desdém,
se nascer ,vai
espairar pelo mundo!
 
Se já não sou geografia prá tanto,
e pouco aprendiz de coisas
de grande trato,
me faço de esconder
entre quatro paredes,
duas luzes
e uma cama sonolenta,
de palha pura.
 
Prá isso vim parar aqui.

Prá alertar os incautos
nunca nasçam num berço
sem dono:
você vira bólide perdido
que se esvai pelo vale e
que de encanto não tem nenhum.

E por isso
é bom dizer:
não é hora para remediar,
não é hora de três quartos,
nem de meia vesga.

O agora é hora
do tempo.

Se ele for seu dono,
passivo seja no andar;
se não tiver escravidão
seja dono de você mesmo.
 
Mas procure dentro das
mestras luminosas
o cordão mágico, e
que jamais faça você nascer,
principalmente se estiver
perto de Saturno,
os de dez anéis,
os de dez agonias!

José Kappel
Enviado por José Kappel em 03/09/2006
Código do texto: T231488
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26779 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:59)
José Kappel