Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Algoz

Deixo o corpo esguio,
ao largo, inerte.
Fixo o olhar regente,
o fogo e a lança.
Sinto o amor, a flor,
a dor e a febre.
Sinto a algoz pergunta,
interna à pele...

Deito o olhar-menina,
ao Mundo e Inferno,
onde a tal verdade,
é o precipício.
Pois que na penunbra,
a voz persegue,
sombra de inocentes,
em sacrifício...

Não há Clero nesta,
escuridão maldita,
que traga silêncio,
ao céu e o mar,
pois que a onda bate,
e o mar agita,
vindo a tempestade,
anunciar...

Rogo, paz, perdão,
luz infinita.
Rogo a Gerra, à fenda,
retornar,
pois que o lírio adorna,
iguais destinos,
mesmo após a chuva,
desabar...

Peço ao Pai,
retorne à Humanidade.
Pinte o Arco-Íris,
novamente.
Já que o homem foge,
a tua vontade.
Já que o homem, fere,
e a Vós, ofende...

Caia sobre nós,
tua bondade.
Rasguem-se os Papiros,
do inimigo.
Tombe toda lança,
da maldade,
ao se abrirem as portas,
da Esperança...

Angra dos Reis e de Saudades,
04/09/2006
20:35hs



Day Moraes
Enviado por Day Moraes em 04/09/2006
Código do texto: T232752
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Day Moraes
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil
137 textos (4782 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:38)
Day Moraes