Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Labirintos

Angélica T. Almstadter
 
Nada em mim é oblíquo,
Nessa ambigüidade em que vivo.
Não descarto a linearidade,
Nem me afasto do contínuo,
Porquanto bem convivo,
Com a expressão da minha verdade.
 
Sou ponto de fusão distinto,
Na realidade vigente,
Artéria  em ebulição;
Desfilando nesse labirinto.
Vivo entre o partir e o voltar,
A um eterno e mesmo limiar.
Prêmio ou castigo?
Da minha condição inconseqüente,
Altamente comburente,
Que não se afina no universo,
Porque morre em cada verso.
 
Não são rimas tolas que construo,
Nem palavras combinadas entre si;
De mim só verdades sucintas;
Minha alma no recuo,
Da vida, que bem ou mal, vivi.
 
No céu do meu inferno
Tenho anjos, a quem confio
A alma revestida da carne sã.
Mas no inferno do meu céu,
Não confio a carne malsã,
Aos horrores do mausoléu,
Dos guardiões funestos,
Que se expõem no meio fio.
 
Gosto da claridade dessa voz,
Que sussurra entre dentes:
Me toma, mas não me queira,
Seja luz sem algoz,
Liberdade efervescente.
Doma sua vida sem fronteira.
 
Calo, e em mim, me assisto,
Me olho e reflito,
Onde a vida me abeira.
Mesmo sendo verbo proscrito em corpo aflito,
Não onde quero, mas onde ela me queira,
Ato meu laço bendito.
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 24/01/2005
Reeditado em 24/01/2005
Código do texto: T2342

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55634 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:21)
Angélica Teresa Almstadter