Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VELHOS AMIGOS ! José Geraldo Martinez & VELHAS AMIGAS ! Maria Thereza Neves

VELHOS AMIGOS !
 
José Geraldo Martinez
 

Enquanto silêncio há,
pelo meu lugar que dorme,
contemplo de mim a solidão ,
de mim o pranto escorrido!
Um encontro pela madrugada de velhos amigos ...
Abraço-me tanto ,
molho-me no próprio pranto !
Sou eu , comigo !
Acalento as desilusões ,
da minha alma entristecida ...
Peço mil perdões  pelas emoções mal vividas .
Quem me quer mais que a mim ?
Se não eu ,assim , querendo-me
de alma despido !
Quem seria de mim  senão eu , meu melhor amigo .
Junto minhas mãos
sobre o rosto , a enxugar-me de mim o desgosto ...
Meus dedos sobre algumas rugas
que dei-me em desafeto ,
quando inimigo de mim fui manisfesto ...
Toco meu rosto  e meus cabelos ,
num carinho infindo e verdadeiro !
Barbeio-me suavemente ...
Como se o outro de mim, mais descrente, quisesse ajudar !
Penteio-me docemente ,
como se o outro de mim fosse passear...
Visto-me , como se o outro de mim fosse recomeçar !
Aos conselhos de mim , saio e uma alegria infinita ensaio.
Correndo de braços abertos ao vento...
Como se o outro de mim esquecesse o tempo !
Para o futuro que me espera ...
com tantos sonhos que vagueiam ,
por tantos sóis e primaveras !
Carrego-me nos braços ,
para um pôr do sol no poente ...
Caminho pela vida , como se o outro de mim fosse à frente !
Segui os passos de mim finalmente , cheio de alegria ...
Amando-me para sempre !
Correndo pelos meus sonhos  no amanhecer de um novo dia ...
De braços comigo, saio eu eternamente .
 
&
 
VELHAS AMIGAS !
 
Maria Thereza Neves
 
Eu comigo de mãos dadas
 a recordar caminhos.
Sozinhas vivendo saudades
momentos felizes ou de abandono
nos abraçando  para sobreviver.
 
Quantas vezes brincamos,
brigamos por escolhas diferentes
uma queria abraçar o mar
a outra voar horizontes...
 
mas sabíamos que precisávamos
nos cuidar,manter viva a essência
os clamores da alma
e as terras fecundas das raízes.
 
Como fossemos uma só pessoa
aprendemos a amar o mundo
a deixar as lágrimas rolarem
para outra enxugar
e  juntas sorrimos .
 
Sabíamos, bem aqui dentro de nos
que conquistamos o direito de errar,
tropeçar , voltar a sonhar e amar.
 
Quantas vezes a solidão encontramos
o no silêncio conversamos
nos reencontrando nos caminhos
que pareciam não ter fim
nem porto.
 
Saiamos destas horas aflitas
apoiadas nos ombros
sem nunca esquecermos
onde as estrelas se encontram
e as balsas para voltar a infância
nas tranqüilas águas distantes
 
JF/MG- 10/09/06-22h
Maria Thereza Neves
Enviado por Maria Thereza Neves em 10/09/2006
Código do texto: T237240
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Thereza Neves
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
3341 textos (90990 leituras)
6 e-livros (224 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 16:47)
Maria Thereza Neves