Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Voando ao Léu

Roço o rosto,
levito o suave,
medro o palmo
e faço o terno.

Pulo de dois,
na cerca da vida,
empurro bois,
cavalgo alados
tudo a procura
dos pacatos.

Roço o rosto
faino a dor
repasso torto
a voz dela
em pé, firme e com
azul de cor.

Roço o rosto
tento a paz e silêncio
neste campo de sol
nesta vesga aparente.

Sou vivo e disso
me encarregam;
Ando à passso,
corro por ruas
e enviezo por avenidas,
quase nuas.

As gentes se foram
prá algum lugar
perto de algum
fim-do-mundo.

Não fui, por receio
e bastante permeio sinto
de lá ficar: roça medo!

Por isso, e agora,
o encarregado sou eu,
sou eu que faço e refaço,
sem pensar em dor ao léu.

Se sou seu, faço por mim.
Mas não posso esquecer
jamais
que um dia fui seu...
na corda bamba,
mas fui,
mas, da mesma maneira, ateu,
escorreguei na pedra do
tal destino,
e por água abaixo fui
procurando os algos seus.

Por isso,agora, ei de fugir sozinho
sem barulho fazer
prá bem longe dos que
não mais entendem e,
ao contrário, somente
me subtendem!

Seu tenente, puxa a boina
lá vou eu passar,
sem tiros de fuzil,
mas vou passar,
por toda essa vida
sem ser, ao menos,
funil de água doce !
Tudo surpreendente,
muito e muito,lastimoso e
mas só aparente.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 11/09/2006
Código do texto: T237449
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26785 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:12)
José Kappel