Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Do romantismo da futura amada

Tu sabes, futura amada:
Na linha divisória
Entre a vida e a morte,
Entre o ser e o não-ser,
Todos vivemos.
E o verde do nosso prado,
Às vezes inesperado se torna cinzento,
Quando as fábricas da dor e do ódio
Jogam os seus detritos
Sobre as águas límpidas das nossas esperanças...

Por isso, futura amada,
Não mates o romantismo dentro de ti,
Mesmo enjaulado pelo estresse.
No ônibus, no trem ou no automóvel,
Põe o romantismo do teu lado,
Segura-o pela mão ou  passa-lhe o cinto de segurança..
E  se tiveres que escolher
Entre o  cartão de crédito e o sonho,
Fica com os dois!...

Antes e depois, futura amada,
Dos inefáveis gozos de um corpo
Que se entrega a um outro,
Pelo qual se alucina de amor e de paixão,
Envolve de romantismo este teu louco tesão!.
Para que, corpos suados e desejos saciados,
Persista sempre a vontade de declarar,
Em carícias suaves e palavras emocionadas
O que nunca é demais ou supérfluo: “Eu te amo!”


É preciso construir,
Na avenida dos nossos corações,
Ao lado de imponentes arranha-céus
E suntuosos apart-hotéis,
Uma casinha branca,
Com flores da janela...

E espera-me lá, futura amada,
Sempre com os olhos crescidos de saudade....




( Antonio Maria/ São Luís – MA, 2006)
Antonio Maria S Cabral
Enviado por Antonio Maria S Cabral em 12/09/2006
Reeditado em 11/11/2008
Código do texto: T238560
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Maria S Cabral
São Luís - Maranhão - Brasil
1271 textos (155730 leituras)
1 e-livros (286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 12:37)
Antonio Maria S Cabral