Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Hora de Ser

Sou parte da nesga,
que constrói o desespero,
do início e do fim
das coisas perenes.

Formo a angústia da espera.
Torno o tempo escasso
e volátil.

Sou pária em seus braços,
colisão da ausência.
Sou texto familiar,
moinho espanhol,
palha dos mendigos.

Meu caminho é pedrado de
dúvidas, é
rota de colisão
com a ânsia e a solidão.

Sou administrador de
prostíbulos. Senhor de
todas as abadessas,
donas do prazer
enigmático.

Sou plantonista do aborto
dos sem fins,
dos sem causa,
e sem sombra.

Moro à bessa,
a beira de um rio,
onde falha a segurança,
e brinco de vida e morte
- um caso especial -
sem moralidade !

Meu sol não acende
mais minha vida, e a lua
é quadro lastimoso,
estático,
que não inspira coisas
de amor,
mas só levanta o pó
dos tropeiros da guerra.

Agora, são 11 horas
em minha vida:
hora para caminhar entre
arranhos e
desesperos,
e nadar no vazio
das almas ocasionais.

À você fica o abraço querido:
quando da próxima vez a nos ver,
trás um pouco de cura,
e um formidável abraço
de acalanto !

 
José Kappel
Enviado por José Kappel em 13/09/2006
Código do texto: T239370
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26783 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:31)
José Kappel