Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dô di Coraçaum

Das primera veiz que eu sintí
Si acheguei nu seu dotô
I eli nin toda sua sabedorança
Simprismenti mi falô:

Num si avexe seu moço
Que num é coisa di si apreocupá
U coraçaum ta qui bati forti
Má num é duença naum!

Intauncis eu si fui lá pás banda du Zinho
Pra tocá as viola e tomá as marelinha.

Mas o coiso foi si apertanu, apertanu
Paricia qui ia pulá
I eu qui sou macho má tenhu medu das morti
Fui si logo avizanu u Zinho:

Óia qui, eu vô inté us dotô
Causqui to si sintinu aperriado di tanta dô
Si eu num vortá inté u amanhecê
Incomenda as caixola i pode mi bebê.

U Zinho nem si importô
Foi guardá as carni seca
Mormuranu qualqué coisa
Di sabê qual qui era a minha dô.

Eu si pus a caminhá
Pela istradinha cas luz da lua
Sintinu us chero das frô
I ouvinu u baruinhu du riachinhu.

Quanu cheguei já sem ar
U hômi procupado feizi logo eu deitá
I mexi daqui i mexi di acolá
Um nada o cabra mi pôdi incontrá

I a hora foi passano e a mardita foi si aumentanu
Tava duídu di um tamanho. Tava duídu di lascá
Seu dotô - disse eu - Arresórvi u meu pobrema
Inté pareci qui us coraçaum vai rebentá

U hômi já di cabelu impé
Sem sabê u qui haverá di fazê
Chamô as infermera
Moça nova na cidade, bunita di si vê.

Eru a segunda veiz que eu via
Aquela belezura di mulé
Meus coração foi si acalmano
I a dô toda foi si passanu

Seu dotô viu meu zóio
Grudado nu zóinho daquela frô
I foi logo mi dizenu
Isso tudu, seu moçu, é dô di amô.
Paula Cury
Enviado por Paula Cury em 12/06/2005
Código do texto: T24063

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Paula Cury
São Paulo - São Paulo - Brasil, 47 anos
114 textos (8472 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:49)
Paula Cury