Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Contemplação

Contemplação

Como pássaro que voa altaneiro
sem saber para onde ir
seu ninho de ilusões
se esvaíra outros prados
ficando só longínqua saudade;
A natureza bela
Mas sem alegria das almas
torna-se espaço temeroso frio
toda magia desta natureza em êxtase
nos reporta à visão
dos primeiros sonhos que formamos;
Lá longe, contemplo a água em planície:
Ora verde, ora azul, ora brilhante
Tal imenso caldeirão chamejante;
No barulho fervente das ondas cansadas,
das amarguras que carrega
das alegrias que logo passam:
encho-me de fantasia, suaves emoções
purificam o egoísmo revigora o corpo.
Poetizo agruras vida real
Tensões ocultas;
No ideal antigamente aspirado
Procuro as cinzas, do meramente alcançado
Inacabado
Lindos sonhos hoje nada;
Procuro alguma brasa fazer acender
Chama interior
Adormecida.
Vaguei como uma sombra
Pela praia afora
Na solidão que nos faz mais puros
Também narcisistas;
Mesmo insignificante ser;
Sou partícula deste imenso universo,
Tangível real
Sempre vítima da incerteza
Sinto ímpeto irrefreável
Num extravasamento puro de espírito;
Gritar individualmente: Eu existo!
Gritar outro grito mais forte: as dores do mundo
Fazer ecoar infinito afora, coletivamente!
Meus conflitos voltam a se petrificar
Na impotência imediata
confundem-se no barulho
das ondas deste mar,
de repente, sinto suaves éolos
acariciam as faces
sinto fluidos benéficos de esperança;
um forte anseio de Doação e Liberdade
um forte desejo de amar,
invade-me!
Termino a contemplação
Suspendo os sonhos esvoaçantes
para ter lugar
o choque com o real
do dia a dia trivial.
maria do socorro cardoso xavier
Enviado por maria do socorro cardoso xavier em 16/09/2006
Código do texto: T241917
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria do socorro cardoso xavier
Campina Grande - Paraíba - Brasil
317 textos (22490 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:59)
maria do socorro cardoso xavier