Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Camaleão

Camaleão inquieto, porte mutante
Despista o concreto de gesto inconstante
Buscando o seu contraditório adapta-se amiúde
Beleza selvagem de bicho, contínua amplitude

Camaleão de olhos verdes tempestade de cor
Me inebrio neste verde onde sua íris esconde dor
Mas camaleão elege sua mascara e nos presenteia com seu mantra
Baila consigo mesmo, baila com seus sonhos, nos encanta e canta

Besta-fera, é a bela e a fera, o coração humano
Do silencio faz zoeira, inocência em profano
Tem abraço estreito, aberto o peito, ombro de irmão
Reinventa melodia, faz música, borda poesia, canta samba em alemão

Camaleão me arrebata, enlaça e depois se vai
Moleque travesso, faz do errado o avesso, logo diz: - Don’t cry
Amigo, amante errante, disfarça sua dor, que é a dor dela
Ama os cavalos! Faz de coisa mais simples como coisa mais bela

Camaleão é pássaro, fênix ferida
Nasceu pra ser livre dentro da sua loucura
Hei de esperar-te sempre, sempre com ternura
Criatura de si mesmo, nesta infindável aventura.

Dedicado ao querido amigo Gerson de Veras e a todos loucos artistas camaleônicos...
Beth Jardim
Enviado por Beth Jardim em 18/09/2006
Reeditado em 14/01/2010
Código do texto: T242996
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Beth Jardim
Taguatinga - Distrito Federal - Brasil, 35 anos
152 textos (17021 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 11:12)
Beth Jardim