Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Farreiros

corre bravo
na ira
dos desmedidos,
sem mecha,
sem parvo-
pavio,
que arde,
faz até saudade
na ausência
dos malas-prontas,
que se foram
feridos.

segue douta
de asas,
a senhora
de dois
homens,
duas portas,
duas camas
e um amor
de lascas.

segue louca,
a senhora
dos farreiros.

e avante
vento
bravio,
de sete
costados
avassala este
corpo lento
que, hoje no brejo,
já foi seu.

mulher afoita,
doita de
carne,
tem prazer
em tudo,
até no azar,
de sua pura
solidão.

tem dez,
metade de um,
pobre mulher
de ninguém,
sem nenhum.

mulher dos farreiros,
vestida de brincos
para, em todos,
morrer ferina !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 23/09/2006
Código do texto: T247180
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26777 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:11)
José Kappel