Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EU

Sou aquele vaso delicado, mas forte
Que o turista requintado trouxe de Hong Kong,
Que tantas vezes caiu ao chão
E, em lances de sorte, nào se quebrou.
                                           
Não nasci num berço de ouro, nem de couro
Nem mesmo sei se nasci num berço . . .
Não sei se morrerei num dia de sol ou chuvoso.
No meu ceticismo, nem sei se um dia morrerei . . .

Enquanto não morro, não deposito meu cérebro numa agenda,
Em nome da sociedade, do Estado ou do que quer que seja.
Preocupo-me antes na descoberta de eficientes métodos
Para domar as muitas bestas do mundo . . .

Eu sustento a semelhança entre a mulher e a rosa:
A rosa nunca deixa de abrir-se em pétalas,
A mulher, mais do que nunca, abre as pernas;
A rosa poluída, a mulher prostituída . . .

Continuo à procura da minha estrela,
Porque, tendo eu seguramente a encontrado,
Não encontrou ainda ela a mim, que creio:
O valor reside mais na busca que no encontro!
Zico
Enviado por Zico em 24/09/2006
Reeditado em 24/09/2006
Código do texto: T248156

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Zico
Capelinha - Minas Gerais - Brasil
53 textos (24028 leituras)
2 e-livros (2996 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:31)
Zico