Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

É noite e chove, chove, chove

A noite que me freqüenta
Não se dilui nem sob sol a pino
Nem com soda cáustica
Nem com magia
A poesia que me falta
Se me vem é pouca e logo se fatia
Se diminui
Desfigura-se
Fragmenta-se em mim e some
Não tenho nome mais para as coisas
Nem sei chamar o cachorro
Onde estão as pessoas?
Fico com o osso
Em frangalho
De que me interessam sol e flores
Estações diversas
Se me falta alegria
Tudo se encolhe e chove chove chove
Célio Pires de Araujo
Enviado por Célio Pires de Araujo em 28/09/2006
Reeditado em 28/09/2006
Código do texto: T251230

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Célio Pires de Araujo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Célio Pires de Araujo
São Paulo - São Paulo - Brasil
1075 textos (32934 leituras)
2 e-livros (236 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:44)