Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MARASMO CRUEL (español y portugués)


Los contornos de mis besos
se vaciaron de tu impulso,
alambiqué mi sed en tu mirada
y no le diste a la razón ningún sentido.
Quedé hueco en la noche
anhelando la oportuna caricia
de tu mano insostenida
y mi avidez no claudicó en el tiempo
aunque el espacio me dio el ancho margen
de tu ausencia eterna.
Mi extenuación sin mitades
me convocó a la plenitud del reencuentro
imaginado
cada noche, cada instante, cada aurora
y el sol ardió sobre mis venas yertas
secando el alma
que partió en tu busca.
Este marasmo cruel, esta no-vida
me compromete a desandar por donde vine
para vivir un poco más... ya muerto.



Versão em português: Jane Botti


Os contornos dos meus beijos
esvaziaram-se do teu impulso,
alambiquei a minha sede no teu olhar
e não deste à razão sentido.
Fiquei oco na noite
desejando a oportuna carícia
da tua mão insustentável
e minha avidez não claudicou no tempo
ainda que o espaço deu-me a larga margem
da tua ausência eterna.
A minha extenuação sem limites
convocou-me à plenitude do reencontro imaginado a
cada noite, cada instante, cada aurora
e o sol ardeu sobre as minhas veias tesas
secando a alma
que partiu em tua busca.
Este marasmo cruel, esta não-vida
Compromete-me a desandar por onde vim
Para viver um pouco mais... já morto.
Alberto Peyrano
Enviado por Alberto Peyrano em 27/01/2005
Reeditado em 31/01/2005
Código do texto: T2549
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alberto Peyrano
Argentina
14 textos (870 leituras)
2 e-livros (157 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/16 15:58)
Alberto Peyrano