Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fronteira

Inexistente razão em si

Quando o crucifixo apunhala o cérebro de uma pessoa
Cética ou ateísta, neutra ou interrogativa
O sangue derramado na balança
Desacelerará a dependência da razão
Apenas quando a hemorragia for infinita
Como a corda que segura o crucifixo
Que não para de crescer ao céu, em velocidade infinita
E quanto mais perto de Deus ela está, mais longe dele estará

Fé é razão que não se acha no Papel nem na boca
Razão que não existe, mas a tem.
Deus é um vento que quando frio nos congela
E quando quente nos queima
Mas o vento não se captura

Somos o deus de Deus
Somos o seu criador
Ele apunhala nosso cérebro, e com o nosso cérebro apunhalamos seu punhal.
Não podemos conversar com ele, ele não pode nos ouvir
Não podemos ver ele, ele não existe
Mas quando nos ajoelhamos, ele “existe”
Como uma interrogação no Papel

Deus, problema insolúvel
Somos todos ateus
À medida que procuramos pela razão da fé
Menos razão teremos, ganhando razão para não acreditar
Sendo que o zero não existe, na ilha da fé e da razão
Onde o mar é o inalcançável.
T a n
Enviado por T a n em 18/06/2005
Código do texto: T25760
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
T a n
Condeúba - Bahia - Brasil, 27 anos
31 textos (2090 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:27)
T a n