Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eloqüência

Diz... como ecoa a voz desse peito,
Que já sem efeito, o sedativo se esvai,
E o luar, espelho cativo, da noite que cai,
Toma do mar, as ondas por açoite, e por leito...

Que sou do tropeço, a contraposição,
Transeunte sem teto, no afeto do solo, sem jeito...
O amor sem sujeito, alado em minha paixão.

Diz... se são as notas, na partitura a dar calma,
Ou se o partir da alma é, da despedida, a soleira,
Das labaredas, insanas, que o vento ao tempo espalma,
E então afligir é amedrontar, gotejar na fogueira.

Que sou da cautela, a mais pura ambivalência,
Inclinado abismo e, receoso de teu colo, à ribanceira,
Por loucura... por ventura... por tendência...

Então... diz, que meu grito emudeceu de repente,
Foi o mito da utopia mais forte,
Foi da luz, o dia... foi do passo, o norte...
E quando mais preciso... diz que estou ausente.


Porto Alegre, 09/10/2006
Gustavo Schramm
Enviado por Gustavo Schramm em 09/10/2006
Reeditado em 04/02/2007
Código do texto: T260017

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gustavo Schramm
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 36 anos
88 textos (4350 leituras)
7 áudios (676 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:08)
Gustavo Schramm