Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Noturno Agônico

O tempo foi escurecendo...
E o coração como ele, foi ficando
Frio, gelado, imune a tudo...
Os olhos aos rios se misturaram
Em águas que ninguém pode conter.
E a lua sempre triste, correu se esconder.
A pluma não resistiu ao vento,
Voou para longe, lutou para ficar,
Mas foi em vão...
Só ficou a geleira a arder
Nas entranhas, no sangue
estanque...
Barcos perderam suas velas,
Afundaram, naufragaram...
A beleza agora era apenas
Uma lembrança, um fato perdido
No Calendário das recordações...
Nenhum rumor, nenhum passo,
Nenhuma voz, nem canções...
Apenas o frio, a ventania cortante...
E o silêncio criminoso e angustiante...
A morte chegara tão cedo,
Impedindo a luta, atirando ao solo
A guerreira teimosa e constante,
Dela só restou o amor...
Exemplo
Que não deve ser imitado...
Pois será outra vez morto...
Exterminado...
18.05.2005
Mary Trujillo
Enviado por Mary Trujillo em 19/06/2005
Código do texto: T26012

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mary Trujillo
São Paulo - São Paulo - Brasil
387 textos (25774 leituras)
41 áudios (1840 audições)
8 e-livros (1171 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:27)
Mary Trujillo