Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vespas!

Formou fantasmas na fumaça solta na janela,
Tanto pediu para se danar, mal viu o tranco,
Gatilho perdido nas remessas das pedras semi-preciosas,
Fez cara de valete o tempo todo, roda a roda,
Carpideira trocando o cerrado nas gerais,
Sociedade sem o limite da verdade, jogo,
Posa de sobretudo para a memória curta,
Perdigueiros mal farejam a cal estancada,
Desmembrados nas grades abaixo do asfalto,
Novos bruxos para atos do cotidiano, luz,
Tirem o holofote do olho no vôo do dragão,
Uma pulga na balança, tantas rádios piratas,
Entra & sai na contingência quase venal,
Atributos dilacerados da eminência parda,
Velame rasgado, confisco absoluto, luto,
Fraqueza na luminária feito conta atrasada,
Veraneio proibitivo cerca o ganso, aflição,
Fios com emendas para curtos reparos,
Todas as somas que alteraram os conceitos,
Atirou no limite da equação mais absurda,
Todos os robôs enlatando muito mais fome,
Atirou de novo, mas saiu pela culatra!

Peixão89
Peixão
Enviado por Peixão em 10/10/2006
Código do texto: T260647
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Peixão
Santo André - São Paulo - Brasil, 57 anos
3231 textos (120250 leituras)
1 e-livros (241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:30)
Peixão