Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POESIA EVIDENTE


Se quisesse estar longe, talvez na beira...
No abismo... ou seria o impulso, pouco,
O aceno, quem sabe, saísse rouco e obsceno,
Transfixado do olhar, mais profundo,
Ou só por conjectura, faltaria o mundo e o chão...
Vez sim, vez não, a mão escorrega,
E se de um turno, emoção é cega, de outra feita...
É vidente... de evidente que é!

Há portas, emaranhadas, no tempo...
Que se abrem em sorrisos no espaço,
No penhasco das sombras, na ribanceira...
Das sobras... das dobras da estrada,
Vertendo águas torrenciais, correntes,
Inundadas de gente, de nós...
Alguns sem bote... sem rumo... sem remo.
Ora sem hora, ora sem ver.

E se te desse, eu, meu pedaço mais vivo,
Na varanda caiada, nós sobre a rede caída,
Eu te daria motivo, tu me darias morada,
Pois que o sentimento anda nu, afora a venda.
E a razão, esta tola desculpa...
Se de um lado, falta o ímpeto do pulo,
Frente à rasa margem... d’outro lado o esforço é nulo...
Pois que se ausenta a coragem.
Gustavo Schramm
Enviado por Gustavo Schramm em 10/10/2006
Reeditado em 04/02/2007
Código do texto: T261390

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gustavo Schramm
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 36 anos
88 textos (4350 leituras)
7 áudios (676 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:28)
Gustavo Schramm