Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As rosas exalam

Quem diria que num canteiro
como o que tenho em meu jardim
rosas tão belas em nevoeiro
sofrimento guardem assim.

Rosas espinhosas, envenenadas,
banhadas em sangue, em rubra cor,
que se próximas, se dadas,
me provoquem tanta dor.

O seu cheiro, tão carente,
apático de amor,
a procura de um ente,
para dar-lhe um sabor.

De despedida ou chegada,
de um começo ou um fim,
para trazer-me apaixonada
ou magoada uma alma a mim.

As rosas exalam,
nos falam de amor,
mas rosas não calam
da solidão o ardor.

Não se dão ofertadas,
pois comprá-las não se pode,
surgem-nos amadas
nos corações em seu molde.

Elas são atemporais,
nem os vermes as levam,
envelhecem jamais,
se eterna a paixão das mãos que as carregam.

Por lembrar-nos da saudade
ali, mudas, às vezes ficam,
mas nem ventos de tempestade
de nossas lembranças nos retiram.

Passam eras e gerações;
talvez até vejam meu anoitecer,
mas no menos assim nossas paixões,
as guardarão até a morte nos convencer.

E, mesmo nesse adeus,
as rosas me agradecem
pois se os momentos não mais são meus
suas pétalas me cobrem e eterno me protegem.
Vitor Barros
Enviado por Vitor Barros em 20/06/2005
Código do texto: T26314
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vitor Barros
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 29 anos
26 textos (1396 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:48)
Vitor Barros