Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Assim são os meus versos

Não sei a que Escola Literária
Nem a que época pertence a minha poesia;
Nem sei se os meus versos, talvez delirantes,
São antigos, modernos, concretos ou abstratos,
Ah! Como rotular esses mágicos instantes
De sonho, de fantasia, de desejos latos?

No meu poema, os versos podem rimar,
Podem ser livres ou podem ter um  padrão,
Mas, certamente,  cada verso, cada estrofe,
Se nutre da minha alma, da minha emoção!

E quando faço versos
Não uso  caneta nem dedilho teclas,
Pois escrevo com o coração
Que desliza célere pelo papel,
Acalentando a minha ilusão
De sair do meu chão, de voar pelo meu céu!...

Então, eu versejo e falo e brinco
Com a lua e com as estrelas;
E podem me chamar de doido,
Mas, com meu poema,
Eu com elas converso e posso entendê-las!...
E vejam como tenho razão:
As estrelas iluminam a minha esperança de amor,
A lua clareia a minha solidão!...

E se faço versos, eu só sei falar de amor,
Porque quando a inspiração vem, desabrochada,
Do chão do meu peito, em forma de alegria ou de dor,
São flores ou espinhos da semente-amor plantada!...




São Luís - Maranhão, 10/10/2006
Antonio Maria S Cabral
Enviado por Antonio Maria S Cabral em 13/10/2006
Reeditado em 11/11/2008
Código do texto: T263254
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Maria S Cabral
São Luís - Maranhão - Brasil
1271 textos (155730 leituras)
1 e-livros (286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:39)
Antonio Maria S Cabral