Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nota de Escrevinhador

Resguarde cantos, conserve a mágoa
Cubra santos, mas guarde sua escrava
Saltem ventos, cubram em rios d’água
Nem tempo tira sua serva: a palavra

Crie devaneios, viaje em sua história
Cante sua prosa, forje sua escritura
Nem a sandice apaga esta memória
Adentre seu psique, afague a figura

Jubile com seus signos em tinta,
Ou roreje o pranto introspectivo
Ligue-se ao orbe, pare e sinta:
O Universo vocabular vivo

O conhecimento é uma dádiva
Divina ou profana, se propaga
Pela palavra, de forma sádica
Como um vento, e faz uma chaga

Tal chaga é um cancro irreparável
Penetra no âmago, atinge emoções
Instala-se e procria, o agradável:
Faz aflorar sapiência e comoções

Ler é o ensejo de descobrir-se,
Compreender o que há lá fora
Como humano reafirmar-se
O erudito do ontem e do agora

E do eterno prumo do saber
E de tal benéfica escara mental
Não há o que não há de valer
Unir-se-á a matéria ao espiritual

Dos criadores, conheça o trabalho
Escreva, crie, faça disso um ofício
Parece ínfimo, uma gota de orvalho,
Mas verás quão sábio desde o início

Na linguagem que quiseres, livre
Opte pela ironia machadiana
em prosa, e em poesia quem crive
Seja a singeleza de Quintana

Que seja, isso não nos convém
Que importe sim a tal relação:
Mestre e a obra, como ninguém,
Incrivelmente dialogarão...
Erich Leistenschneider
Enviado por Erich Leistenschneider em 13/10/2006
Código do texto: T263279

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Erich Leistenschneider
São Bernardo do Campo - São Paulo - Brasil, 27 anos
16 textos (653 leituras)
1 áudios (166 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:23)
Erich Leistenschneider