Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem título(21)

O dente da dentada roda

O chip ultraleve actual intemporal

A dentadura que morde na cabeça

A cabeça abandonada

Desleixada

Globalmente descompacta

E bem pensante

O degelo na praia tropical

A cruz

O crescente

A estrela de seis vértices

Os templos

As máquinas

O soft-pastor

A moda

O modo do medo

Nos pecados e nos costumes

No campo

No shoping

Sem roupa e sem vergonha

Sou naturista

Teclo na dureza tecnológica

Deambulo em espaços sem barreiras

Nos muros de Berlim e Jerusalém

Em qualquer barreira mental

Em todas as cegueiras dos corações

Grafito o meu protesto

Entre tanta decência estou a mais

É bom de ver tanta bondade

Sou diferente

Sou menor

Eu já não presto

A bomba do produto em excesso

A fome ao quadrado

Em nosso círculo

O desfazer da coisa necessária

O olho no umbigo

O mundo com cinema no sofá

Fora de nós

São todos estrangeiros

Chanel e Gaultier

E outros cheiros

Trivialidades

Pecados

Ousadias

As morais convenientes

Sobrevivências

E o palavrão na hora certa

Como tabefe

Aos cus sentados

Nas barrigas ronronantes

O safanão na casa adormecida

Gritar na vossa vida entristecida

Eu que me deprimo de riso ululante

E na panela cozinho

A palavra fumegante

Rebento no prato virtual

Do menu degustativo

Em sexo proibido

Nas vossas consciências empedernidas

A catarse

O alívio

As mentais diarreias

Proliferantes

E todas

Todas

As ideias bem pensantes

Saber viver é que não custa

Assim como um covarde

Sim senhor

O senhor é que sabe

Pois com certeza

Antes a sorte

De não ter sorte na morte

Que ser da sapiência actual

O electrónico basbaque

Digital criatura

Entre as orelhas o vácuo
 
Lobotomias
 
O chip pavoneante

O serviçal pedante

De toda a ideia feita obediente

Desejo apenas ver a primitiva máquina

A humana criação

Sem trela

Sem amarra

Sem culpa e sem canduras

A defecar demoradamente

Nos pecados dos vossos templos

Quero saber apenas falar

Do Homem nascido livre

Viajante

Do fogo

Da pedra

Da roda

Da máquina a vapor

Ao vaivém espacial

Especialmente anacrónico

Nos tempos

Nos templos de prisões



A ideia agrilhoada

Em reflexo condicionado

Biotecnológico robot

Célula estaminal

Contradição episcopal

Incendeio de hidrogénio

Os petróleos os dólares os euros

Em fogueira imensa

Cabeças de crude ardendo

E o cheiro da paz mais perto de nós

Veloz em viagem de ficção

Tomo a nave

Tomo as dores do mundo

Tomo o analgésico

E não engulo a vossa dourada pílula

Não recebo a picada por de traz da orelha

E do vosso liofilizado manjar

Não quero nem migalha

Eu quero é devorar a metástase monstruosa

Em ondas de azul-cobalto

Demorar-me

Deleitar-me em longa mastigação

Pedaço a pedaço

Como ciber-sniper

Armado de laser ultramoderno

Destruindo minuciosamente

Neurónios impotentes

Metástases da indiferença

Vou clamando já no planeta por descobrir

Na espera tranquila

Na calma secular

Na ideia serena

Que o Homem há-de descobrir a humanidade

Num tempo a seu tempo

Assim será





                    Dionísio Dinis
Dionísio Dinis
Enviado por Dionísio Dinis em 13/10/2006
Código do texto: T263518

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dionísio Dinis). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dionísio Dinis
Portugal, 54 anos
126 textos (5406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:50)
Dionísio Dinis