Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No Silêncio da Madrugada

Ao silêncio amigo da madrugada me entrego,
Quando todos se calam, descansam e dormem...
Vou dedilhando ao piano toda minha angustia.
Esse amor louco, a vontade desse homem...

Já não é amor, é doença, pura demência.
Na madrugada deixo que as lágrimas
Banhem meu rosto e o grito de amor
Engulo seco, peito aberto em chagas...

Ah... covardia idiota, até quando serei cativa?
Pedaço de mim, fantoche do destino, escrava...
Até quando suportarei do vulcão, a labareda?
Seguir sendo nada, minha própria madrasta...

Ele é meu dia, minha noite, minha alma,
É senhor do meu corpo, do meu sangue.
Meu segredo mais lindo, cruel, assassino...
Que nega o calor, a felicidade desse instante.

No silêncio da madrugada, fantasio seu toque,
Sorvo em seus lábios o champanhe mais fino.
Rasgo a partitura maldita, me atiro na cama,
E no sonho o tenho entre os lençóis de linho...
Mary Trujillo
06.12.2004
Mary Trujillo
Enviado por Mary Trujillo em 21/06/2005
Código do texto: T26578

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mary Trujillo
São Paulo - São Paulo - Brasil
387 textos (25775 leituras)
41 áudios (1840 audições)
8 e-livros (1171 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:48)
Mary Trujillo