Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

METROPOLITANOS - III

Corpo de asfalto
Flora para canteiros
A beira do outono cinza
Da janela que espelha
Acintes dos cotidianos
A chuva carga que se basta em janeiro
Verde brotando pelo concreto, outeiro
Pálidas de pele macilenta
Refregas pelo Sol que demora a sair
Vinde mesmo que tardia
Essas cores do verão
Debruça pelas avenidas
A falta que faz essa paixão
Dias seguidos sem minha sereia
Eu, náufrago nesse mar cinzento
Na espera desses beijos que me anseia
No escuro gelado da rua
Trafegando em tantas embarcações
Cimento, aço & feras que rondam
Tantos apertos, sofregos corações
A cidade espera a tarde que brilha
Na lágrima que seca, face estreita
Um passo no largo a caminho da Luz
Palpita um cisco na retina.

Peixão89
Peixão
Enviado por Peixão em 21/06/2005
Código do texto: T26640
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Peixão
Santo André - São Paulo - Brasil, 57 anos
3231 textos (120251 leituras)
1 e-livros (241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:33)
Peixão