Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEMÓRIAS & REFLEXÕES

Divagando no mar oceano da vida,
Voltei ao passado que estava enterrado.
Menino levado voltei às origens,
Um pobre garoto, oprimido e acanhado.
Moleque comprido galã de novela,
Danado, safado, muito namorador.
Lembrei-me da vida, da mãe tão querida
Que  estava sozinha e senti muita dor.
Toda mãe  é um anjo de asas branquinhas,
Nos contos de fada, e na vida também.
Quando nasce um menino, nos céus tocam sinos
E os anjos em coro, rezam – dizem amém.
Jesus foi criança, esteve na vida,
Infância sofrida o Senhor enfrentou.
Foi menino humilde, filho de carpinteiro
Que  ao mundo inteiro, lições ensinou.
Seu saber era imenso, caminho e verdade,
Retornou ao ninho, a cruz O levou.
Passado  algum tempo, voltando à Terra,
O Mestre querido, muita gente assustou.
E o menino levado se vestiu de poeta,
Fala coisas concretas, que o Senhor ensinou.
Mamãe, meu anjinho, fez a grande viagem,
Comprou  a passagem para o céu viajou.
Quem sabe  algum dia a gente se encontre,
No céu, no espaço, seja lá onde for.
Pedirei mil perdões por ter sido levado,
Serei  perdoado, porque as mães são amor.
Nesta hora bendita de emoção e saudade,
Com  muita humildade, abro o meu coração.
Peço a Deus que perdoe esse filho esquisito
Que  viveu em conflitos e grande confusão...
E chegada a hora, da sutil despedida
Que o pranto e a dor poesia se tornem.
A vida é um dom, poesia  infinita,
Só podia ser obra, do Deus que é amor.





Jorge Gil
Enviado por Jorge Gil em 19/10/2006
Reeditado em 14/11/2009
Código do texto: T268203

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o lin para a obra total.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Gil
Goiânia - Goiás - Brasil, 79 anos
867 textos (45736 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:38)
Jorge Gil