Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANDANÇAS

ANDANÇAS
Lílian Maial


Ando confusa de nuvens.
Penso doces recheados de teias.
Questiono a sanidade das manhãs.
Quero a liberdade do ventre
E a inconseqüência dos sonhos.

Ando com o cansaço das árvores.
Caminho passos de seqüela.
Questiono a trajetória dos homens.
Quero a paz do mato, o cheiro de hoje,
E a premência das cidades.

Ando irada com as mágoas todas.
Relembro estações e trilhos.
Questiono o vôo dos pássaros.
Quero o grito travado
E as lágrimas que evaporaram.

Ando tanto, sem lugar ou tempo.
Vejo-me finita e crédula.
Questiono a imortalidade da espécie.
Quero o gen, o vintém, qualquer esmola,
E o tempo sonegado pela ilusão de felicidade.

Ando, como sempre andei.
Vaguei.
Melhor andar, questionar, pensar,
Do que querer.
Melhor não ver, não saber, ignorar.
Melhor andar.


Lílian Maial
24/10/06
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 24/10/2006
Reeditado em 25/10/2006
Código do texto: T272340

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1158 textos (248810 leituras)
21 áudios (13707 audições)
3 e-livros (1280 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 17:08)
Lílian Maial

Site do Escritor