Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Açoite na alma.

Em uma alcova de pasto,
nascia um pangarezinho.
E no galope contra o arame farpado,
ele conhecia o limite de seu caminho.



Potro novo puxava o arado,
e não corria na cancha - reta.
O rebenque e o carrapato,
estragaram - lhe a pelagem que era bela.



Sua ferradura era o chão que pisava,
sua cocheira era o vento e o frio.
E o tapa - olho prá sempre tapava,
os campos floridos que não mais viu.



A carroça cheia do melhor feno,
era para o quarto de milha.
E o pangaré a puxava sofrendo,
arqueando os quartos ladeira acima.


O relho já não machucava a carne,
pois a pele só tapava o osso.
A bela crina do cavalo árabe,
era a ilusão que queria em seu pescoço.



Mascando o freio preso a um obelisco,
certa vez viu um potrinho nascer.
Tomara que seja xucro e arisco,
para nenhuma cerca o prender.



Pobre matungo que trabalhava em qualquer hora,
cada relincho seu era um lamurio.
No lombo tomava laço, relho, espora...
E seguia troteando sem orgulho.



O cansaço dominava - lhe o corpo,
orelhas murchas, semblante entristecido.
Há tempos já estava morto,
mas apenas ontem havia morrido!
Hermison Frazzon da Cunha
Enviado por Hermison Frazzon da Cunha em 24/06/2005
Reeditado em 08/06/2013
Código do texto: T27473
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Hermison Frazzon da Cunha www.recantodasletras.com.br/autores/mano). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Hermison Frazzon da Cunha
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 37 anos
103 textos (26990 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:24)
Hermison Frazzon da Cunha