Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O velório dos fetos.

Sorte dos fetos velados,
não terão destruídos os sonhos próprios.
Dormem sem terem acordado,
desconhecerão desonras, ultrajes, opróbrios...



Sorte dos fetos velados,
não terão que se conformar com o inconformável.
Choram num grito trancado,
não verão a tragédia inexpectável.



Sorte dos fetos velados,
não serão corrompidos pelo egoísmo.
Coração bate parado,
não enxergarão as almas jogadas no abismo.


Sorte dos fetos velados,
não se contagiarão com a ignorância dos homens.
Olhos piscam fechados,
não saberão que valem os que mais consomem.



Sorte dos fetos velados,
não serão manipulados pelos detentores do poder.
Pulmão respira asfixiado,
não ouvirão o gemido dos que morrem querendo viver.



Sorte dos fetos velados,
não serão mais um rosto na multidão.
Sangue corre coagulado,
não sentirão o que é solidão.



Sorte dos fetos velados,
não sofrerão com a dor da existência.
Cordão da vida foi cortado,
não precisarão saciar suas carências.




“Pobre” dos fetos velados,
não comerão bergamota debaixo do sol.
A alminha pede afago,
perdida no Evo ela não quer ficar só.
Hermison Frazzon da Cunha
Enviado por Hermison Frazzon da Cunha em 24/06/2005
Código do texto: T27478
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Hermison Frazzon da Cunha www.recantodasletras.com.br/autores/mano). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Hermison Frazzon da Cunha
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 37 anos
103 textos (26999 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:27)
Hermison Frazzon da Cunha