Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ramalhete de mim

Ramalhete de Mim

Eu margarida
Plantada em canteiro alheio
Desestimando a guerra e pedido paz
Para as rosas vermelhas, azuis  e amarelas.

Eu violeta
Alegre, feiticeira
Ávida pela luz do sol
Vegetando num pobre vaso de plástico.

Eu bromélia
Suspensa no ar, agarrando vida
No vento e na chuva
Encharcada de lágrimas, sem chão, sem calor.

Eu onze-horas
Florzinha à toa, insignificante
Que nasce em qualquer lugar
Sempre com hora marcada para desabrochar.

Eu bem-me-quer
Cheia de vida, cheia de amor
Querendo proteger, juntar o que é meu
Num abraço, no colo, no alcance do olhar.

Eu azaléia
Colorida, faceira
Enfeitando jardins, perfumando o ar
Retirando energia de um sorriso vulgar.

Eu orquídea
Sofisticada, elegante
Planta nobre, esnobe, vestido cetim
Deixando que levem a vida de mim.

Eu perpétua
Desbotada, agrupada, sem graça
Trajando uma vestimenta lilás como mortalha
E agarrada a dezenas de outras iguais
Tentando ser eterna. Pobre de mim.


Perpétua Amorim
Enviado por Perpétua Amorim em 27/10/2006
Código do texto: T274873
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Perpétua Amorim
Franca - São Paulo - Brasil
145 textos (4174 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:18)
Perpétua Amorim