Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Água de Beber

No silêncio ouve-se
somente o farfalhar
das sombras da noite
que ainda se avultam
dentro da vaga floresta
do jardim dos encantados,
apesar de logo chegar o alvorecer.

Os grilos e cigarras
deslizam suas canções
na escuridão da noite.

Em meio a noite enluarada
uma pequena luz trêmula
a mostrar o caminho.
Um vaga-lume em seu doce
acender e apagar de luzes.

Caminho pelas trilhas
desta vaga floresta
como se as conhece
há muitos anos.

Percorro seu interior,
sentindo o cheiro
que dela emana.
Seria eucalipto?
Vago cheiro amadeirado
das muitas árvores
que ali vivem?
Minha boca já sequiosa
sorve a água do rio
que corre mansamente
no meio da mata.

Dessa mesma água
molho meu corpo
e deixo-a escorrer
em pequenas gotas
até encharcar-me totalmente.

Água que tanto ansiava beber
enquanto percorria sedenta
as trilhas do caminho.

Água que refrigera minha alma
e apaga o fogo, o calor da caminhada,
que arde em minha pele.
E assim, feliz e satisfeita
por ali me encontrar
e daquela água beber,
aguardo encantada
o nascer esplendoroso do sol
para nele me aquecer
nas horas do dia.

E agora sei,
sem vaga floresta,
sem água, sem sol,
não é possível haver
vida nesta terra árida
e deserta.
Maria
Enviado por Maria em 28/10/2006
Código do texto: T275797
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria
Blumenau - Santa Catarina - Brasil
4549 textos (185891 leituras)
1 e-livros (103 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 09:48)
Maria

Site do Escritor