Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Anatomia e fisiologia de um poema

Sua substância não é carne e osso
É palavra e sentimento.
Os órgãos vitais são palavras,
O ar que respira é sentimento.

O coração rima, não bate
O sangue escreve, não circula
O cérebro faz pensar, não pensa
Os hormônios são tão somente
O mistério das palavras.

Os músculos, sua firme declaração
Os tecidos, seu palco
Os cabelos, seus vários caminhos
Os dedos das mãos, seu alcance
Os pés, a caminhada.

Os olhos enxergam além das palavras
Os ouvidos ouvem apelos silenciosos
A língua degusta o doce-amargo da vida
O nariz cheira a primavera do coração
As mãos acariciam a verdade.

As células de um poema: as letras
Todas juntas como tijolos
Um todo harmonioso
Dão vida a vida:
Um poema.
Carlos Henrique Fernandes Gomes
Enviado por Carlos Henrique Fernandes Gomes em 28/10/2006
Código do texto: T276014
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Henrique Fernandes Gomes
São Paulo - São Paulo - Brasil, 45 anos
196 textos (12982 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 19:04)
Carlos Henrique Fernandes Gomes