Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À MINHA MULHER

Quando eu morrer, se for antes de ti,
e estiver no caixão, cheio de flores,
quero que não esqueças do que pedi:
ergas a cabeça e, por favor, não chores.

Não quero ficar exposto à curiosidade
pública por muito tempo, já gelado,
e as pessoas, sem nenhuma piedade,
falando sobre mim e do meu passado.

Quero um  velório sem  tristeza,
ninguém falando sobre fracassos,
que todos falem com franqueza,
mas sem mencionar os percalços.

Quero alegria contagiante,
muita música, principalmente samba;
quero um ambiente vibrante,
se for possível, com uma banda.

Não quero – atenção - ser incinerado,
pois virar cinza me incomoda.
Espero, pois, morrer despreocupado,
sem essas frescuras da moda.

Como gosto de coroa, até as de flores,
gostaria de ficar cercado delas,
pois adoro as diferenças de cores,
que constituem formas belas.

Quando chegar o crucial momento,
aquele de que não gostam os vivos,
comuniques que retardar o sepultamento,
por mais que se queira, não há motivos.

Mandes, então, uma canção  entoar.
Embora saiba que  morto perde a audição,
 restar-me-á o consolo da alma assimilar
aquilo que foi desejo do coração.

Se, quando se quer, conseguir é possível,
penso que não encontrarei embaraços,
levantar-me-ei do caixão horrível,
e, correndo, voltarei para os teus braços.
levy pereira de menezes
Enviado por levy pereira de menezes em 30/10/2006
Reeditado em 31/07/2007
Código do texto: T277765
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
levy pereira de menezes
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 82 anos
143 textos (7429 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:30)