Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A bula: que frágil

Não confunda, sociopata,
Sensibilidade e fragilidade.

A golpeadas quis estancar a aguarrás
Que destrói minhas obras inacabadas...
Mas, a uma artista sem vocação ou dom,
É carimbar um quase na velhice.

Optei em combater o que nunca tive
E desgraçar nas páginas o óleo que restou:
Ainda me pegam no esconder do pathos
Mas se confortam quando eu leio no semblante alheio
Que o que sobra a mim é tentar o otimismo.
Maria Clara Dunck
Enviado por Maria Clara Dunck em 31/10/2006
Código do texto: T278881

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Clara Dunck
Goiânia - Goiás - Brasil, 30 anos
73 textos (4623 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:11)
Maria Clara Dunck